Todos os posts de Afonso Lopes

Conexões: Goiás

PT Lança Gomide e Iris ataca Friboi

Parece ação ¨casada¨. E é. Enquanto o PT goiano deve confirmar hoje a disposição de lançar o prefeito Antônio Gomide, de Anápolis, ao governo do Estado, Iris Rezende, único nome oposicionista que, neste momento, consegue polarizar contra a reeleição do governador Marconi Perillo, diz está se retirando do processo eleitoral deste ano. Ele fez o anúncio em meio a uma saraivada de ataques a Jr Friboi, seu concorrente dentro do PMDB.

Iris-Rezende

É o que conta reportagem publicada hoje (29/03) em O Popular, assinada por Fabiana Pulcineli. Esta é a primeira vez que, publicamente, Iris Rezende critica a pré-campanha de Friboi, a quem acusa de arrogar potência financeira, ¨falando em milhões aqui e ali¨. Para Iris, falta a Friboi ¨sensibilidade e prática política¨. E arremata: ¨A coisa pública não é uma empresa¨.

Na outra trincheira, aliados de Friboi se fizeram de desentendidos e comemoraram a possibilidade de renúncia de Iris. Na coluna Giro, de Jarbas Júnior, também em O Popular, ex-deputado Marcelo Melo, do PMDB da região do Entorno do DF, elogiou Iris, dizendo que ele pensa mais no partido. ¨Vamos ajudar no projeto do Jr e abrir várias frentes de trabalho em abril¨, completou. Já Sandro Mabel, que é um dos coordenadores da campanha de Friboi, sacramentou: ¨O cenário está definido no PT e no PMDB¨.

Essa reação de aliados de Friboi é um samba do crioulo doido muito bem pensado. A intenção é menosprezar a reviravolta representada pela renúncia de Iris e minimizar o rompimento da aliança com PT, construída em 2008 pelo próprio Iris.

Rachou de vez

Apesar dessa reação, a soma dos últimos acontecimentos no âmbito da aliança PMDB/PT é terrível. A ameaça de Iris, de abandonar o processo eleitoral deste ano, e os ataques dele, deixam implícito que a candidatura de Jr Friboi pode até ser confirmada pelo PMDB, mas ela poderá chegar à campanha a bordo de um partido em frangalhos, e sem um forte aliado, como o PT.

Mas se esse é um retrato horrível do que poderá acontecer, por que os aliados de Friboi, a esmagadora maioria com experiência de sobra para perceber nuances muito menores do que um rombo tão grande como esse, não o alertam?

Três aspectos podem ser considerados em uma análise sobre essa falta de alerta. Em primeiro lugar, tudo o que está acontecendo é resultado direto da mais longa guerra interna do PMDB goiano, que explodiu em 1998, entre iristas e maguitistas. Os maguitistas viram em Friboi uma boa arma para questionar a liderança de Iris, e se agarraram a ela. Se Iris fosse superado internamente sem traumas, ele poderia se transformar no grande cabo eleitoral de Friboi, e assim manter-se influente. Com o chega-pra-lá em Iris, os maguitistas constroem uma redoma em torno de Friboi, e isolam os iristas.

Por outro lado, Jarbas Júnior, em uma de suas colunas, há mais ou menos um mês, escreveu que um peemedebista teria desabafado em tom confidente que ¨é melhor perder com o dinheiro de Friboi do que perder com Iris e sem dinheiro¨.

Por fim, alguns estrategistas entendem que os arroubos de Friboi visam exatamente esse isolamento. Seria, então, uma estratégia pensada. Caso consiga se firmar como candidato, ele tentaria vestir na campanha a roupa de oposição a ¨tudo isso que aí está¨: contra Marconi, contra Iris, contra o PT.

Blog

República bananeira?

Artigo assinado por um escritor-blogueiro, hoje (28/03), Luiz Carlos Amorim, no caderno Opinião Pública do Diário da Manhã, me chamou a atenção. Ele afirma e analisa que o Brasil pode importar bananas do Equador.

macaco banana

¨Pegadinha do Malandro¨, pensei. E saí atrás de mais informações a respeito disso na internet. Cheguei ao site do Canal Rural (http://agricultura.ruralbr.com.br/noticia/2014/03/produtores-de-banana-protestam-em-sao-paulo-contra-importacao-do-equador-4455018.html).

Antes de ficar escandalizado, pense pelo lado bom: daqui uns anos ninguém vai pode dizer em tom jocoso que somos uma república bananeira…

——————————————————————————-

Farda sensual

A foto de uma moça sensualizando geral com fardamento da PM goiana ganhou ontem a internet. Ela é namorada de um recrutado do SIMVE, e teria se aproveitado da ausência dele para vestir a roupa,  e mandar as fotos via WhatsApp.

Farda sensual-PM

 

——————————————————————————-

calibre 7.62Corrupção epidêmica

Traficante da Maré, no Rio de Janeiro, foi preso com 700 balas de grosso calibre, 7.62. Bem, mas e daí, traficantes tem tanta munição que frequentemente são flagrados disparando a esmo até para comemorar gol em pelada, ué. A novidade neste caso é que as balas pertenciam ao Exército. Dois militares as venderam para bandidos do PCC, e foram então descobertas com o tal traficante.

Não deixa de ser curioso, né? Ou seja, graças à corrupção epidêmica do Brasil, o tráfico se abastece até com balas do exército.

Quer outra curiosidade que também parece soar como piada? Pra arrematar: o tal traficante foi preso por… receptação.

Cadê a grana?

Notícia de ontem: arrecadação de impostos, taxas, contribuições e etc e tal bateu novo recorde no mês de fevereiro.

Notícia de hoje: mesmo assim, o governo teve que pedir mais de 3 bilhões de 28/03reais emprestados para pagar as despesas.

É o mesmo que usar o limite do cheque especial para abastecer e comprar pãozinho na padaria. Ou seja: ferrou.

Vai piorar

Banco Central elevou a previsão de inflação para este ano, de 5,6% para 6,1%. E, ao mesmo, diminuiu a previsão de crescimento da economia, de 2,3% para 2%. Cenário ruim? Muito, mas poderá ser pior. O mesmo Banco Central diz que há 40% de chances de a inflação romper o teto da meta deste ano, que é de 6,5%.

Rezar não adianta.

Conexões: Goiás

FofocaPMDB: o jogo pesado do tititi

Para o bem ou para o mal, a verdade é que o PMDB está no centro da agitação política no Estado. Tem de tudo: notícia real, informações cifradas, boatos, tititi, puxadas de tapete, conversas ditas sigilosas e fofocas. Tudo junto e misturado. Só falta um Galvão Bueno narrando ¨é de arrepiar! Haja coração, amigo¨.

E é mesmo uma fase eletrizante. As informações, fundamentadas ou não, parecem acompanhar o movimento do sol nos céus goianos. Ontem pela manhã, quando ainda se digeria ação do prefeito Maguito Vilela, de Aparecida de Goiânia, para pacificar os ânimos de Iris Rezende e Jr Friboi, começou a circular a notícia (de bastidores, obviamente) de que um grande acordo interno estava em curso, com Iris candidato ao governo e Friboi de vice.

Hoje, no Diário da Manhã, o bem informado jornalista político Helton Lenine, citando reportagem assinada pela jornalista goiana Raquel Ulhôa, no Correio Braziliense, falou que a decisão de candidatura na província vai ser decidida pelo presidente nacional do PMDB, Valdir Raupp, e o ex-presidente Lula. A definição vai passar também pelo resultado de pesquisa do Ibope encomendada pela direção nacional do PMDB. Com um detalhe: Raupp afirmou que a pesquisa será levada em conta, mas não servirá nem para desempatar a peleja entre Iris e Friboi. Ele explicou que nem sempre quem está na frente ganha as eleições.

A observação do senador Raupp é correta, mas se é assim, por que fazer uma pesquisa para depois, se for o caso, decidir exatamente pelo resultado adverso? Mas não é só isso. Tem a participação do Lula, que é do PT. O que o ex-presidente estaria fazendo no caldeirão de definições do PMDB? O jornal brasiliense diz que o irmão do Jr, Joesley, que herdou o comando do grupo Friboi (JBS), teria procurado o Lula para pedir ao ex-presidente que interferisse no processo de escolha interno do PMDB goiano.

Trocando um miúdos, essa é uma salada geral dentro de um quadro informativo específico que seria favorável ao homem da carne.

E o que há de fato concreto por aí? Ninguém sabe. Ou quem sabe não fala, ou realmente a situação está indefinida como sempre esteve. A notícia de Brasília sugere a queda de uma outra ¨verdade¨: a de que Friboi tinha franca maioria contra Iris numa possível disputa na convenção do partido. Se é assim, por que o irmão dele pediria a interferência do companheiro Lula?

Na coluna Giro, de O Popular, assinada pelo competente Jarbas Júnior, uma nota quase despretensiosa diz tudo: peemedebista teria avaliado que, no momento, Iris e Friboi somam 50% de chances cada um. Ou seja, tá empatado. Soou sensato.

A nota rebaixada do Brasil: o que muda na sua vida?

Muito se falou sobre o rebaixamento da nota do Brasil, de BBB para BBB-, (o traço significa menos), pela agência americana Standart&Poors, S&P. Quase não se percebeu que as empresas brasileiras também entraram na faca avaliadora.

Petrobras, Eletrobrás e Samanco (do setor de mineração) igualmente foram rebaixadas. Só? Não. O setor financeiro foi atingido também. Nada menos que 13 instituições tiveram notas menores – Itaú, Bradesco, Banco do Brasil, Santander, Sul América, Caixa Econômica Federal, BNDES, Itaú BBA, HSBC, Citibank,  Banco do Nordeste, Sul América Seguros e Allianz.

Para o cidadão comum – eu, você e o resto de todos nós – as notas mais baixas vão passar longe de afetar o nosso dia a dia. Então, essa notícia é insignificante? Não, não. Ao contrário: é muito preocupante. Significa, em primeiro lugar, que a economia do Brasil parou de melhorar. Se não corrigir agora, vai piorar e, aí, sim, os efeitos vão atingir todos nós.

Luz do óleo

Complicado entender a coisa? Bem, então imagine que no painel do carro a luzinha espia do monitoramento do óleo do motor da uma piscadinha. Uma bobagem, sim, mas se o motorista não parar o carro e corrigir o nível do óleo, o motor vai fundir. É isso.

——————————————————————————-

Crescimento versus incentivos fiscais

Não há mais o que discutir sobre a validade dos incentivos fiscais praticados pelo Estado de Goiás. Segundo levantamento do BID, Banco Interamericano de Desenvolvimento, entre 2002 e 2012 a economia estadual cresceu 300% e a arrecadação dobrou de tamanho no mesmo período. Trocando em miúdos: o Estado, com seu leque de incentivos fiscais, abriu mão 100, arrecadou 200 e cresceu 300. Um ótimo negócio sob qualquer ponto de vista.

Comparando os dados atuais sobre crescimento da economia goiana e o peso dos incentivos fiscais, as vantagens impactam de maneira impressionante. No início, em 2002, os incentivos somavam 7,5% do PIB estadual. Hoje, atingem somente 4,9%. A pesquisa, feita por economistas brasileiros com dados de 16 estados brasileiros e o Distrito Federal, mostra ainda que os efeitos dos incentivos hoje estão se mantendo praticamente inalterados.

A notícia foi publicada na edição de hoje (27/03) do jornal O Popular.

Mas onde está a mágica fiscal de abrir mão de impostos, crescer a economia e dobrar a arrecadação? Não é mágica nenhuma. O que ocorreu foi uma forte atração de novos empreendimentos, que geraram renda e emprego, que voltaram para a economia e continuaram rodando e ampliando o mercado, provocando então em efeito continuado que se realimenta.

A carga tributária brasileira é uma das mais altas do planeta. Na prática, cada brasileiro trabalha/produz durante 5 meses ao ano somente para pagar impostos, taxas, licenças, contribuições e assemelhados. Diante desse levantamento do BID, de que Goiás cresceu e passou a arrecadar um volume maior de impostos com uma carga menor de impostos, é mais do que conveniente discutir seriamente se a política nacional de arrecadação voraz é o melhor modelo de gestão fiscal para o país.

Conexões: Goiás

PMDB

¨Baixar a poeira¨ para diminuir danos internos

O PMDB está rachado. Constatação intempestiva? Longe disso. Ontem, uma das grandes lideranças do partido, o prefeito Maguito Vilela, de Aparecida de Goiânia, disse que é preciso esperar a ¨poeira baixar¨. Em outras palavras, tem que esperar o ¨vendaval¨ passar.

A referencia de Maguito é direta e envolve o processo de afunilamento interno das candidaturas do PMDB ao governo do Estado. Até então, nenhuma liderança peemedebista importante tinha falado abertamente sobre a existência de atritos internos, embora os sinais captados externamente fossem evidentes e inegáveis.

maguito-vilela-iris-rezende-e-junior-friboi-620x450

Começou na filiação de Jr Friboi

Os choques internos não começaram agora, eles apenas afloraram mais escancaradamente.

No final do ano passado, quando ainda estava no PSB, surgiram sinais de que Friboi pretendia embarcar na canoa peemedebista. Em Brasília, ele se acertou com o presidente nacional do partido, vice-presidente Michel Temer. Iris não gostou e foi até lá conversar com Temer. Friboi venceu naquele momento.

Recebido com festa de praxe, principalmente pelo grupo liderado por Maguito, chegou como virtual candidato ao governo do Estado, o que desagradou ainda mais Iris Rezende. Iristas foram a campo para repor as coisas de acordo com seus interesses: Friboi era um dos pretendentes, e não o pretendente. Ato contínuo, outros dois peemedebistas anunciaram que também eram pré-candidatos ao governo, os ex-deputados estaduais Wagner Guimarães, de Rio Verde, e Ivan Ornelas, de Formosa.

Friboi sentiu o golpe e exigiu da Executiva Estadual um posicionamento oficial sobre sua situação. Sob forte influência dos maguitistas, Jr recebeu o título simbólico e pomposo de pré-candidato oficial do PMDB ao governo do Estado.

O que motivou Maguito a pedir que o partido adote o velho ensinamento de que é ¨o tempo que cura o queijo¨ foi entrevista de Iris Rezende à rádio 730, num furo do repórter Divino Olavo. No bate-papo, Iris deixou claro que não abandonou o projeto de disputar o governo mais uma vez. E sacramentou que não existe esse ¨negócio¨ de pré-candidato oficial e que não foi consultado sobre isso.

O vento, que era incômodo, tornou-se vendaval.

Para Maguito, o jeito é esperar a ¨poeira baixar¨, buscar o consenso e ¨não ficar discutindo pelos jornais¨. Se isso vai funcionar ou não, vai se descobrir em breve.

Loucura geral

Estação de energia

Parece estupidez, e é mesmo. A cada mês, bate-se novos recordes de arrecadação de impostos no Brasil. Nem as famosas e localizadas desonerações conseguem evitar isso.

Pois não é que já se cogita mais um aumento nas já absurdas e abusivas taxas brasileiras? Pode vir por aí mais imposto na energia elétrica. Seria destinado a cobrir um pouco o rombo que se espera para este ano nas contas das elétricas.

Tranca na porta

Velha história de colocar tranca na porta depois da visita do ladrão. Um dos acusados do assassinato do jornalista Valério Luiz, ocorrido em 2012, escapou para a Europa. Vive em Portugal com a família dele.

Ele disse ao jornal O Popular que não fugiu, mas se mandou pra lá para se proteger e resguardar a família. E acrescentou: se a Justiça lhe der garantias, volta na hora.

Drogas e mortes

As quatro meninas cruelmente assassinadas no Morro do Mendanha, em Goiânia, foram vítimas de traficantes, 3 deles menores de 18 anos, e 1 mais velho um pouquinho, 21 anos.

Ou seja, crianças matando crianças.

No Brasil, já se acostumou dizer que somos um país campeão em assassinatos por causa das drogas e dos traficantes. A tese é completamente capenga. Drogas e traficantes existem em tudo e quanto é país do mundo, mas em pouquíssimos lugares do planeta se mata como aqui.

Conexões: Goiás

bastidores.qxd

Pneu de estepe

 

Ontem, em belo furo da rádio 730, o jornalista Divino Olavo entrevistou o ex-governador Iris Rezende, do PMDB, que aparece na segunda posição em pesquisas eleitorais recentes.

 

Iris é o mestre de sempre, e driblou as perguntas mais diretas. Como a que questionou se ele será ou não candidato ao governo mais uma vez. ¨Sou como um pneu de estepe¨, se precisar, tá na mão. Ou seja, rodou e parou no mesmo ponto. Será candidato ou não? Será. Ou não, diria Caetano Veloso.

 

Defensores da candidatura de Jr Friboi permanecem, então, com esperanças, mas a falta de crescimento rápido nas pesquisas é, sim, um problemão. Friboi foi atirado numa sinuca de bico quando permitiu que peemedebistas o atirassem no atual período de teste de viabilização eleitoral com a aposta de bom desempenho em pesquisas. Ora, como fazer seu nome crescer nas ruas se não há campanha aberta?

gomide

PT

 

E no PT, Gomide vai confirmar candidatura ao governo do Estado e desincompatibilização como prefeito de Anápolis ou não? Internamente, e localmente, não há qualquer problema. Gomide é o queridão do PT goiano.

 

No final de semana, os petistas fazem encontro estadual para discutir a candidatura dele. Ninguém espera qualquer novidade. Depois, ele terá mais alguns dias para aval da direção nacional do partido, em Brasília. Ele quer evitar um risco enorme, de se lançar candidato, deixar a Prefeitura e, na última hora, o PT nacional determinar mudança de planos e apoio ao candidato do PMDB.

 

 

Por menos de 30 reais

Os campeões do baixo custo

Vinhos bons são necessariamente caros? Não. Existem vinhos bacanas que não arrancam o couro da carteira. Mas nem isso é regra. Entre os vinhos mais baratos, ou menos caros, é preciso garimpar bem pra não sofrer amargas (literalmente) decepções.

Vão aqui 3 dicas na faixa de 25 a 30 reais.

Vinho Casillero

O Casillero del Diablo é chileno, da famosa Concha Y Toro, fabricante de jóias como o ótimo Don Melchor, e co-fabricante do maravilhoso Almaviva.

 

Já bebi muito esse vinho. Aliás, fora os desequilibrados ¨Reservados¨ chilenos (Santas da vida…), talvez seja um dos chilenos mais conhecidos e bebidos no Brasil.

Vinho Periquita

Periquita é hoje o mais vinho português mais vendido no Brasil. Merece ser campeão de vendas. Há uma versão melhor apurada, e mais rara, mas o preço dobra, embora a qualidade triplique. Compra tranquila para beber um vinho honesto e justo na sua faixa de preço.

Vinho Pão de Açúcar Club  A marca é exclusiva da rede Pão de Açúcar. Club des Sommeliers é resultado de lotes de vários fabricantes ao redor do mundo pela rede de supermercados. Vai do Brasil à Austrália, e os preços também variam bastante. Os mais vendidos são brasileiros da Serra Gaúcha e chilenos e argentinos, todos na faixa de preços proposta na dica.

Como os outros dois, são vinhos bons para quem não quer ou não pode gastar tufos pelas jóias das coroas de baco. Há uma linha, com rótulo preto, mais cara. Também é boa, mas não vale a pena gastar mais. A qualidade é equivalente. Dos 3 indicados, é o vivo que bebo com mais frequência.

 

 

Serpes/O Popular

A mais recente pesquisa realizada pelo instituto Serpes e publicada pelo jornal O Popular trouxe uma ótima notícia para o governador Marconi Perillo e uma informação que acende a luz de alerta para a reeleição.

Marconi não parou de crescer e abre em relação ao 2º colocado, Iris Rezende. Os demais nomes, apesar de serem os únicos declaradamente candidatos, Vanderlan Cardoso, Jr Friboi e Antônio Gomide, capinam sob o forte sol da planície: somados, perderiam para Marconi já no 1º turno, se as eleições fossem agora.

Entre os 5, 2 se garantem nas próprias candidaturas: Marconi, pela base aliada, e Vanderlan, na até hoje quixotesca 3ª via, só não se confirmam candidatos se não quiserem. Gomide, no PT, tem muito a arriscar: nada menos que 2 anos e 9 meses de mandato como prefeito da principal cidade do interior do Estado, Anápolis. A definição final dele e do PT está marcada para o final desta semana. Não deixa de ser um drama. Iris Rezende e Jr Friboi dividem o PMDB até agora sem nenhuma indicação de acordo entre eles. Friboi diz que vai para a convenção. Iris prefere negociar antes e tirar o rival da parada dura.

Céu de brigadeiro para Marconi? Claro que sim. Aumentou vantagem para o principal concorrente e pode chegar às urnas como governador em processo de reeleição, o que sempre conta muito. De quebra, a aprovação de seu governo também tem crescido.

Mas o que faz aquela nuvem lá no horizonte? Preocupa.

Rejeição

O governador é o mais rejeitado entre os eleitores. Nenhuma novidade nisso. Geralmente, a tendência do eleitor oposicionista é mesmo rejeitar quem está no governo. Formou-se essa pequena nuvem pelo fato de que o índice de Marconi variou, dentro da margem de erro, positivamente. Chegou aos 31 pontos.

Esse índice perturba, mas não muda o quadro geral de céu de brigadeiro. É uma nuvem, apenas. Com os modernos mecanismos de monitoração, é possível navegar tranquilamente e sem maiores turbulências.

Teoricamente, rejeição é intransponível quando atinge 50% mais 1 voto. É o que diz a regra eleitoral. Na prática, o limite razoável de risco acentuado é 40%. Um pouco mais é considerado alto risco, mas não sacramenta inviabilidade eleitoral. Há casos de rejeição acima do índice limite que resultaram em estrondosas vitórias. Para ficar em dois exemplos, Lula e Dilma.

Portanto, para Marconi, a rejeição é até agora somente uma nuvem. Que incomoda porque está em movimento. Ele precisa monitorar bem para não tumultuar seu céu de brigadeiro rumo à reeleição.