Band: bonecos de ventríloquo não vencem debates

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 Filament.io 0 Flares ×

Pode acontecer de em um debate entre apenas dois debateres nenhum deles possa ser considerado vencedor? É raro, mas pode, sim. Ontem, na Band, isso aconteceu. Dilma Roussef e Aécio Neves se comportaram como dois bonecos de ventríloquos, e isso, francamente, não é debater ideias e concepções políticas. Não se discutiu nem o futuro do país e nem se apontou peremptoriamente os possíveis defeitos entre eles. Foram idênticos.

DILMA:AÉCIO

É claro que, como invariavelmente ocorre, partidários e simpatizantes de Dilma e de Aécio proclamam entusiasticamente a vitória. Talvez realmente acreditem nisso.Mas, provavelmente, para os eleitores que estão em dúvida sobre em qual deles votar dia 26 o debate não conseguiu sequer apontar para uma definição.

Em alguns momentos, por exemplo, seria ideal a instalação de um tradutor ou um rol de NE – notas explicativas. Dilma citou uma tal de “pasta rosa”. Quem ainda se lembra o que vem a ser essa tal pasta? É claro que um ou outro brasileiro sabe de cor e salteado do que se trata, mas estou me referindo ao povo como um todo, ao eleitorado de uma maneira geral.

Em um outro momento, Aécio poderia estocar a presidente Dilma na nevrálgica questão do porto de Cuba, especialmente quando ela disse que o governo financiou não Cuba mas empresas brasileiras de engenharia, e acrescentou que exportar é importante para o Brasil. É claro que é, mas não seria o caso de Aécio perguntar a Dilma por que ela não financiou essas mesmas empresas brasileiras de engenharia para construir ou reformar os portos brasileiros? Aécio não fez isso porque estava, como Dilma, ligado 100% aquilo que havia sido ensaiado junto com suas equipes.

Dilma perguntou sobre violência contra a mulher. Se imaginava que, após a resposta de Aécio, ela tocaria num assunto constrangedor ao extremo, que circula nas redes sociais da militância, sobre uma possível agressão que Aécio, numa balada carioca, teria cometido contra uma namorada dele. Que nada. Desandaram, ambos, a entoar uma cantilena decoreba preparada pelos marqueteiros, que nada acrescentou.

Enfim, nem Dilma pode se vangloriar, e nem Aécio pode festejar. Ambos foram engolidos pelo formato ensaiadinho/decoradinho de debate. E olha que as regras criadas pela TV Band foram sensacionais: perguntas e respostas, com réplicas e tréplicas diretas, com temas livres – e com tempo suficiente para apresentar sucintamente as ideias e intenções de cada um.