É possível trocar secretários com um mês ou dois de governo? Possível é, mas com altíssimo custo

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 Filament.io 0 Flares ×

A oposição tem sambado sobre as enormes dificuldades e desencontros, assim interpretados, neste primeiro mês e meio de governo Ronaldo Caiado. É uma situação injusta? Claro que não. Isso compõe politicamente a própria essência da democracia. A oposição salienta o que considera errado e o governo se corrige para “faturar” o acerto.

menino com a mala

O momento atual é realmente delicado, com o exército de servidores públicos em pé de guerra contra o governo. O que detonou a crise entre servidores e Palácio das Esmeraldas foi a péssima comunicação da estruturação de pagamento de salários atrasados referentes ao mês de dezembro – que, em tese, não é pior do que pagar o atrasado e perpetuar novos atrasos pelos próximos meses indefinidamente, situação que seria evitada com escalonamento da liberação do salário atrasado em 5 etapas de faixa salarial. O que seria uma estratégia criativa para o retorno do pagamento salarial dentro do mês trabalhado terminou sendo compreendido equivocadamente pela maioria como “calote”.

Faltou e falta certa sutileza para conversar sobre alguns temas difíceis, e isso passa a ser explorado ad nauseam pela inteligência oposicionista. Essa estratégia da oposição cria factoides que se espalham rapidamente pela carga racional e lógica, contaminando emocionalmente largo espectro social e político. Um dos exemplos desses factoides é a possibilidade iminente de troca de secretários, inclusive a demissão sumária de alguns “estrangeiros” com dificuldade – ressalte-se, absolutamente compreensível – de adaptação à vida e aos modos políticos de Goiás.

É possível trocar secretários com mês e meio de mandato? Possível, claro, é, mas o custo político de uma decisão como essa é altíssimo. É tão alto que pouquíssimas vezes algum governante adota a demissão como solução. Em raros casos, o alto custo é menor do que o benefício extraordinário de uma medida extremada como essa. Muito raro.

Falta rumo (leia texto principal sobre o tema nesta atualização), e isso revela que alguma solução precisa ser adotada para amenizar os efeitos negativos gerados por essa situação. Qual a melhor solução? Provavelmente, aquela que provocar o menor barulho possível.