O que aconteceu em Roraima, ou como a irresponsabilidade do governo federal provoca tragédias

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 Filament.io 0 Flares ×

A tragédia que aconteceu em Pacaraima, na divisa com a Venezuela, foi mais do que anunciada. Era evidente, e eminente, que algo muito ruim aconteceria. E aconteceu. Hora de procurar culpados? Nem é necessário perder tempo com isso. A omissão completa, total e absoluta do governo federal, responsável pelas fronteiras do Brasil, foi a causa da explosão de violência.

Cenário de uma "guerra"

Cenário de uma “guerra”

Culpa também da população local, que em determinadas – felizmente, poucas – postagens foi acusada de xenofobia? Não. Os roraimenses são vítimas tanto quanto a esmagadora maioria dos venezuelanos. E o governo estadual não pode também ser acusado no triste e lamentável episódio? Não, não pode, e nem deve. A administração estadual é mais uma vítima da irresponsabilidade que emana da capital da República. E esse descaso não é exclusividade do governo atual. Para refrescar a memória, basta lembrar o episódio em que a ex-presidente Dilma Roussef saudou a “roraimada” e que Roraima, o Estado, era a “capital” mais distante de Brasília.

Roraima não é exceção no país, e portanto não vive em estado de bonança. O serviço público, como saúde, segurança e educação básica, é tão precário lá como em todos os demais Estados. Imagine então receber uma demanda nova de 500 imigrantes diariamente em média. É óbvio que o precário se transforma em caos.

A pequena, bela e calma cidade de Pacaraima

A pequena, bela e calma cidade de Pacaraima

O governo do Estado tentou fechar a fronteira temporariamente para colocar a casa em ordem e receber os novos moradores. Brasília foi contra. Não é tradição brasileira, disseram. Realmente não é, mas igualmente não é tradição brasileira receber imigrantes e amontoá-los em barracas de lona em praça pública.

Os venezuelanos sofrem a pior crise da história deles. nem vale aqui apontar a causa, o regime iniciado por Hugo Chávez e continuado por Nicolás Maduro, escolhido pelo primeiro como herdeiro. É chover no molhado falar sobre essa crônica do desastre social anunciado provocado por sucessivas decisões malucas.

Voltando, então, os olhos para a tragédia de Pacaraima, sabe-se que a fagulha que iniciou a explosão foi provocada por quatro venezuelanos, que assaltaram e espancaram um comerciante da pequena cidade. O que se deve questionar é: o que esses venezuelanos estavam fazendo lá, por que entraram no Brasil sem eira, beira e satisfação alguma para as autoridades de fronteira? Por que foram admitidos aqui se, possivelmente, cometeram outros crimes de igual natureza no país vizinho? E mesmo que não tenham cometido crime igual por lá, é muito pouco provável que não tenham pelo menos um histórico violento. Dizer que assaltaram o comerciante por desespero total é uma coisa, mas como admitir o espancamento?

A única grande explicação que há sobre a tragédia de brasileiros e venezuelanos na fronteira é uma só: a total irresponsabilidade dos governantes de cá e de lá.