Apenas uma parte da expectativa de geração de imposto pelos goianos e goianas vai para o cofre estadual

O que há por trás dos números do impostômetro. Entenda

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 Filament.io 0 Flares ×

Surge uma nova fonte de discussão tanto nas redes sociais – especialmente Facebook, Twitter e WhatsApp – sobre o volume arrecadado de impostos em Goiás. A fonte da informação é confiável enquanto cálculo, Trata-se do impostômetro, um painel nacional, estadual e das capitais sobre o volume de impostos gerados pela população brasileira. A atualização é instantânea quanto ao volume, mas evidentemente não há repasse do dinheiro dos impostos para os cofres dos governos federal, estaduais e das capitais a cada segundo.

Impostômetro: cálculo da expectativa de impostos gerados para os 3 níveis da administração

Impostômetro: cálculo da expectativa de impostos gerados nos 3 níveis da administração

No quadro principal, exibido em painel na sede da Associação do Comércio de São Paulo, há a informação do volume de impostos “pagos” pelos brasileiros e brasileiras. Para se ter uma ideia do quanto se “pagou” de impostos no Brasil nos primeiros 10 dias do ano, o impostômetro aponta mais de 77 bilhões de reais.

Na referência que o impostômetro faz a respeito dos Estados, não existe informação sobre o que é efetivamente arrecadado pelas unidades federativas, mas ao cálculo sobre o volume total de impostos gerados pelas atividades econômicas.

Repare, a informação é clara: impostos federal, estadual e municipais

Repare, a informação é clara: impostos federal, estadual e municipais

Parece algo complicado, mas é bem simples. O impostômetro estadual informa, no caso de Goiás por exemplo, o volume de impostos federais, estaduais e municipais gerados – e não exatamente arrecadados pelos 3 níveis da administração pública – por todos os cidadãos e cidadãs do Estado. Assim como o imposto gerado e informado no painel nacional não significa arrecadação em idêntico volume para os cofres do governo federal, mas, sim, a expectativa da somatória de todos os impostos e taxas gerados em todos os níveis da administração.

Apenas uma parte da expectativa de geração de imposto pelos goianos e goianas vai para o cofre estadual

Apenas uma parte da expectativa de geração de imposto pelos goianos e goianas vai para o cofre estadual

Essa informação é crucial para se entender que, embora todos os habitantes de Goiás tenham gerado uma expectativa de impostos calculada em 1 bilhão e 500 milhões de reais, esse não é o volume da arrecadação dos cofres estaduais, mas, apenas a soma do que se gerou de impostos para os cofres federal, estadual e municipais. E está se falando sobre expectativa de geração de arrecadação, e não o que efetivamente já foi arrecadado.

No caso do impostômetro referente às capitais dos Estados, a informação refere-se, aí, sim, à expectativa de impostos das cidades – e não, ao contrário da informação nacional e estaduais, do quanto os cidadãos e cidadãs geraram de impostos globalmente.