Por que Iris não usou o dossiê dos aloprados no debate?

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 Filament.io 0 Flares ×

Segunda-feira, 29, última semana de campanha eleitoral, véspera do último dia de propaganda no rádio e na TV para governador. Iris Rezende, em seu programa, acusa Marconi Perillo de ter contas no exterior. Com emprego da animações, diz que as contas correntes de Marconi em paraísos fiscais e ilegais estão sendo investigadas pelo STJ. Verdade ou mentira? Verdade e mentira.

Sim, há um inquérito no STJ que procura ligações de Marconi Perillo com contas no exterior. Não, não existe nada além de um inquérito (que no jargão jurídico nada mais é que investigação) sobre as tais contas. Sim, portanto, é mentira afirmar, e veicular como se fosse verdade, que Marconi tem contas bancárias clandestinas no exterior.

dossiê

O assunto não é novo. Nasceu na campanha de 2010, e chegou a circular no Palácio do Planalto, na época ocupado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, embora ninguém tenha assumido a sua paternidade. Apontado como autor, o deputado federal Sandro Mabel desmentiu peremptoriamente qualquer ligação com o dossiê. O ministro Gilberto de Carvalho também se esquivou do assunto. No Senado, Marconi cobrou, na tribuna, que o tal dossiê fosse investigado.

Falso – O Banco UBS, de Suíça, que seria depositário de transferências internacionais a partir das contas das Ilhas Virgens, atentou de imediato que a documentação que constava no dossiê contra Marconi era falsa. Também não eram autênticas as assinaturas de Marconi que constavam no pacote desses supostos documentos. A falsificação, inclusive, foi apontada como extremamente grosseira. O inquérito para apurar o tal dossiê segue no STJ, Superior Tribunal de Justiça.

Dinheiro aprendido em São Paulo com supostos autores de dossiês, em 2010

Dinheiro aprendido em São Paulo com supostos autores de dossiês, em 2010

Nada disso, no entanto, foi levado em conta pelo programa eleitoral de Iris Rezende na 2ª feira, 29. A acusação foi “clara” e direta, mas sem revelar sequer que se tratava do tal dossiê de 2010. Na época, um segundo dossiê apareceu, envolvendo políticos do PSDB do estado de São Paulo, com acusações semelhantes. O próprio presidente Lula, acuado, acusou que os autores desse dossiê seriam aloprados.

Intrigante é Iris Rezende, apesar de veicular o assunto na propaganda eleitoral dele, não ter confrontado Marconi Perillo frente a frente, olho no olho, no debate da TV Anhanguera, ontem. Seria o grande momento. Por que ele não se aproveitou da presença do adversário para acusá-lo diretamente? Realmente, intrigante.