Caiado terá que trabalhar mais do que os adversários para superar coligação menor

Serpes/O Popular: nada mudou. Caiado lidera com folga, José Eliton e Daniel dividem 2ª colocação

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 Filament.io 0 Flares ×

O resultado apresentado pela pesquisa Serpes/O Popular, a primeira com o quadro eleitoral realmente definido, não teve, como era de se esperar, nenhuma mudança. A liderança do senador democrata Ronaldo Caiado se mantém com enorme folga. Ele estaria agora com 39,8% dos números absolutos, o que representa 62,09% das intenções de votos válidas – critério adotado pela legislação brasileira para estabelecer índice igual (mais um voto) ou superior a 50%, o que determina se a eleição terá ou não 2º turno. A segunda posição vem sendo praticamente dividida entre o governador José Eliton, que apareceu com 9,9% (15,44% dos votos válidos) e está tecnicamente empatado com Daniel Vilela, com 8,6% (13,41% dos votos válidos). Os três tem a companhia de Kátia Maria, com 2,9%, Wesley Garcia, com 2%,  e Marcelo Lyra, 0,9%. Intenções de voto nulo e branco, 16,6%, e indecisos, com 19,4%, somam 35,9% – e formam a chamada alienação eleitoral.

Caiado terá que trabalhar mais do que os adversários para superar coligação menor

Caiado terá que trabalhar mais do que os adversários para superar coligação menor

A diferença pró-Caiado é mesmo muito grande em relação aos adversários dele. Para se ter uma ideia, a soma de Eliton e Daniel, em votos absolutos, chega a 18,5%. Com seus 39,8%, a vantagem de Caiado para todos os demais candidatos, em intenções de votos absolutos, é de 15,5%. Ou seja, Isso lhe garantia, ainda assim, a 1ª posição na pesquisa.

José Eliton tem mais coligação, mas tem pela frente um trabalho difícil

José Eliton tem mais coligação, mas tem pela frente um trabalho difícil

José Eliton e Daniel Vilela são adversários, sem dúvida, mas por força das circunstância, formam um consórcio, auxiliado pelos candidatos com índices bem mais baixos, para empurrar a eleição para o 2º turno. Se a eleição fosse realizada neste momento, segundo o Serpes, Caiado seria eleito governador já no 1º turno.

Esse consórcio tem como objetivo “tirar” intenções de voto do líder Caiado. É exatamente nessa linha que provavelmente as suas campanhas vão seguir. De outra forma, independentemente de quem se destaque na 2ª colocação, o quadro não se altera em relação à liderança do democrata, e nem muda também a possibilidade de eleição em apenas 1 turno.

Daniel Vilela, com a segunda maior coligação, terá que se descobrar

Daniel Vilela, com a segunda maior coligação, terá que se desdobrar

Vai começar – Eleitores com intenção de voto definida para Ronaldo Caiado afirmam categoricamente que a eleição já está definida, e com possibilidade de ser decidida já no 1º turno. Tem algum fundamento real essa crença? Sim, tem. É um otimismo, algumas vezes exacerbado, que tem como alicerce os número das pesquisas.

Mas não existe ainda qualquer definição, que ocorrerá, no 1º turno, somente em outubro, e com 2º turno previsto para o último domingo daquele mês caso nenhum candidato consiga 50% mais um do total de votos nominais, portanto válidos. É esse o prazo que os adversários de Caiado terão para crescer sobre as atuais intenções de voto dele – e não de uns sobre os outros. Ou seja, se José Eliton conquistar intenções de voto de Daniel ou Daniel tirar intenções de voto de Eliton, a perspectiva em relação a Ronaldo Caiado não vai se alterar uma vírgula.

E como vão se comportar as coisas daqui em diante? Tudo depende da abrangência das campanhas, principalmente dos 3 concorrentes diretos. No papel, a campanha de Caiado tem séria deficiência em relação a Eliton e Daniel – sua coligação é numerosa, porém de composição que não soma muito porque é constituída de apenas 2 partidos medianos, DEM e PDT. Eliton tem 5 grandes partidos e Daniel soma 2 grandes, MDB e PP, e um mediano, o PRB. Os dois vão contar com chapas proporcionais – de deputados estaduais e federais – muito mais representativas do que Caiado, além de ocuparem larga faixa do horário destinado ao chamado palanque eletrônico – rádio e televisão.

No geral, o que se percebe claramente é que Ronaldo Caiado fez bem seu papel de candidato até aqui, enquanto Eliton e Daniel cumpriram o script que teriam condições de cumprir dentro das circunstâncias. De agora em diante, e talvez essa afirmativa cause espanto em militantes, Caiado terá que trabalhar muito mais para se manter onde está porque contará com exército empolgado – com razão -, mas muito mais fraco no conjunto.